Apartamento Modelo Lisbon Green Valley

A informação foi revelada pelo CEO do grupo, Gilberto Jordan, que a 17 de julho foi o anfitrião de um encontro onde deu a conhecer os últimos desenvolvimentos naquele que é o maior resort residencial da Grande Lisboa. “Numa altura em que o mercado se queixa da falta de produto, nós temo-lo aqui e concluído dentro dos prazos devidos”, realçou, admitindo que “as nossas expetativas iniciais foram superadas”.

Foi há um ano que o Belas Clube de Campo deu o pontapé de saída à sua nova fase de expansão, o Lisbon Green Valley, lançando as obras e as vendas das primeiras unidades, entre as quais se inclui um prédio com 16 apartamentos T1 a T3 e um conjunto de seis “towhouses” T4+1. Vendidas todas as casas “em tempo recorde” e em fase de construção, o grupo prepara-se para arrancar com a construção e comercialização de mais três projetos até ao final do ano, colocando no mercado três tipologias distintas de produto: um lote com 16 apartamentos, 15 townhouses e um conjunto de 8 moradias em banda, e com os quais estima encaixar um volume de vendas de 45 milhões de euros.

“Estamos a fazer poucas moradias, mas com um leque de tipologias bastante amplo o que representa um esforço muito grande de promoção”, notou Gilberto Jordan, sublinhando que “um dos principais elementos diferenciadores dos produtos do Lisbon Green Valley é que correspondem ao mais elevado padrão em termos de sustentabilidade e eficiência energética”.

Brasileiros lideram a procura, seguidos dos portugueses

Os estrangeiros foram responsáveis por 73% das vendas nesta primeira fase do Lisbon Green Valley. “Cerca de 45% das vendas a estrangeiros foram feitas a cidadãos brasileiros, com aquele país a liderar a procura em termos de nacionalidades. Só depois surge o mercado nacional (27%), seguindo-se a Bélgica (9%), Grã-Bretanha (5%), França (5%) e outros países (9%)”, adiantou o diretor-comercial do Belas Clube de Campo, Bruno Martins. A seu ver, “o sucesso do nosso produto no Brasil é fruto, por um lado, do grande esforço comercial que temos vindo a desenvolver naquele país e, por outro lado, porque este é um formato de produto muito do agrado de uma determinada franja de mercado que é, precisamente, o target naquele país”.

Independentemente da nacionalidade, o perfil do cliente do Lisbon Green Valley são “famílias com dois filhos, empresários, profissionais liberais, executivos, bem como famílias que transferem a sua residência para Portugal e que procuram a qualidade de vida e a tranquilidade em plena segurança, sem perder de vista a ligação com a natureza e a proximidade com o centro da capital”, descreve o André Jordan Group.

Estendendo-se por mais de mil hectares inseridos no novo Parque Florestal da Serra da Carregueira, e localizado a 15 minutos do centro de Lisboa, o Belas Clube de Campo é atualmente morada para cerca de 800 famílias de 27 nacionalidades, contando com cerca de 2500 residentes.

 

Leia o artigo completo no jornal Público.