Já se está em contagem decrescente para o arranque do Expresso BPI Golf Cup. A 21ª edição do maior evento desportivo nacional para empresas começa no próximo fim de semana na ilha de São Miguel, com as Qualificações Regionais dos Açores, no campo das Furnas. E se em 2017 participaram 369 equipas (em 2016 tinham sido 344), com recordes de inscrições nas regiões do Douro e Alentejo, este ano as expectativas são elevadas quanto a novos máximos de adesão.

“Queremos continuar a crescer em termos do número de equipas participantes”, afirma João Morais Leitão, da empresa fundadora e organizadora, a Media Golf. “O ano passado já foi muito bom, este ano queremos continuar a crescer e o primeiro indicador que temos é extraordinário, porque batemos o recorde de empresas inscritas para o arranque nos Açores, onde vamos ter 30 equipas, quando o anterior máximo era de 23. Só da ilha Terceira deslocam-se cinco empresas.”

Com as inscrições a chegarem a bom ritmo, augura-se mais uma edição muito concorrida, com a participação de pequenas, médias e grandes empresas (portuguesas e estrangeiras — aliás, a atual detentora do troféu da Vista Alegre é espanhola, da Galiza, a Ignacio González Montes) ligadas a praticamente todas as áreas da economia e jogadores das mais variadas profissões, idades e níveis de jogo, incluindo antigos campeões nacionais amadores e figuras públicas naquele que é já um evento marcante do golfe nacional.

“É o torneio número um incontestado em Portugal. É a competição em que todos os golfistas amadores procuram estar todos os anos e que estes preparam afincadamente”, afirma António Moura Portugal, sócio da DLA Piper ABBC sociedade de advogados. “É o melhor torneio de golfe que existe em Portugal, não há outro igual, por mais que se tente copiar”, afiança João Vieira Pereira, diretor-adjunto do Expresso, um participante habitual. “É muito bem organizado, os campos escolhidos são sempre de topo – e acho que isso faz a diferença relativamente a outros torneios”, explica o jornalista.

João Pedro Oliveira e Costa, administrador do BPI, aponta vários fatores para o sucesso da prova: “A forma exemplar como a Media Golf se envolve na organização e na relação com os jogadores e com as equipas.
A modalidade, este texas scramble modificado, com inovações sucessivas no próprio regulamento. E, finalmente, o grupo de sponsors que se tem mantido firme e sistemático no apoio à prova.” Augusto Azevedo, COO da Cerealis, concorda em parte, referindo também três fatores que explicam a longevidade do evento: “A excelente organização, os belíssimos campos onde se joga e a forma como consegue envolver outros parceiros que trazem mais-valias importantes para o torneio.”

Consulte o artigo completo no Jornal Expresso.